sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Distinguido Professor Dr. José Hermano Saraiva


Leiria, 3 de Outubro de 1919 – Palmela, 20 de Julho de 2012



SALVÉ PROFESSOR

A morte não vence a vida quando a memória das pessoas ilustres permanece no escrínio dos nossos afectos. 

Distinguido Professor
Dr. José Hermano Saraiva

Lembro-lhe quem sou: aquela pessoa que há tempos, lhe solicitou com pleno resultado, informações sobre o “jogo do pau”.
A verdade é que eu escrevo prosa e verso desde a idade do liceu.
Atualmente dispus-me a escrever a “Bíblia em Sonetos” e vou no livro II Reis.
E porque me detenho a pensar com que finalidade, quem me merece confiança e quem poderá aconselhar-me, o Professor veio-me à ideia.
Junto lhe envio numa disquete, Génesis para que tenha a bondade de o avaliar.
Versículo a versículo narrativo, fiz até agora 1500 sonetos.
Os custos da edição são elevados, as editoras, mesmo as de carácter religioso queixam-se da falta de interesse pela leitura
Que faria o Professor no meu lugar?
Neste exato momento, surgiu-me a ideia, inspirada pelo seu último programa na TV sobre o malogrado Camões. O documentário arrancou lágrimas dos meus olhos.
Eu possuo uma Bíblia gigante apenas com gravuras da autoria de Gustave Doré.
Seria possível fazer uma série sobre este material em conjunto, tendo o Professor como apresentador, com o seu jeito inconfundível e sério de dizer, uma verdadeira arte na sua fascinante simplicidade?
Pronto. Disse o que tinha para dizer. Resta-me apresentar as minhas desculpas pela ousadia.
Reitero a apreciação de que o Professor me merece toda a confiança, quer pelo seu carácter quer pela sua inteligência e sentido de oportunidade.
Saúdo-o com a mais elevada consideração e apreço, antecipadamente grata pela atenção dispensada a este desabafo.

Atenciosamente
Aurora Tondela

Anexo: 1 disquete


Em 2 de Dezembro de 2009, pouco tempo depois mas não tão pouco que me não evitasse o receio de ficar sem reposta, eu recebia a seguinte carta:

Exma. Senhora

Recebi a sua carta e admito que nestas avalanches de correspondência, eu esteja em falta para consigo.
Peço 2ª via da sua correspondência e subscrevo-me com muita consideração.

Assina José Hermano Saraiva

Em P S, acrescenta:
É favor dirigir a correspondência não para a rua do Ouro mas para a Av. João Crisóstomo, 39-1º-1050-125 Lisboa


Em 25 de Janeiro de 2010, recebia do Professor a seguinte carta:

Recebi a sua carta e felicito-a pela coragem dos seus projetos em curso. Quanto ao projeto de um programa sobre estas matérias, estou muito duvidoso da sua oportunidade, mas agradeço-lhe a ideia e confesso-me ao seu dispor da medida das minhas limitadas possibilidades.

O Professor cumprimenta e assina.


E nunca mais recebe notícias minhas. Dos sonetos já elaborados, agora na ordem dos 1600, dos livros já transformados em livros de poesia, ultimo Cantares de Salomão e atiro-me ao trabalho de fazer Isaías.
Não esqueço o Professor e sinto que o tempo urge.


Em 21 de Fevereiro de 2012

Distinguido Professor

Recordo-lhe a poetisa da Bíblia em sonetos.
Escrevo, neste momento, o 23º Livro, Isaías. Talvez inicie este ano o NT e o termine.
Entretanto, desejo enviar-lhe para uma curta apreciação, um ou outro Livro - os dois primeiros.
Em CD pois não editei nem sei como fazê-lo. Neste domínio estou completamente às escuras.
Seria o senhor tão gentil que pudesse dar-me a sua douta opinião?
E até fazer um prefácio de apresentação?
Que destino dar a este trabalho?
A minha credencial é humilde: escrevo desde os 14 anos e conquistei alguns prémios mas não tenho, nunca tive pretensões. Tenho apenas o prazer de escrever.
Numa Pátria madrasta como esta? Sem comiseração para os sem recursos?
Queira desculpar o desabafo.
Esse CD fala por mim. Se me achar merecedora de uma resposta, muito grata lhe ficarei.
Agradecendo toda a atenção que se digne prestar a este assunto, subscrevo-me com os mais respeitosos cumprimentos.

Atenciosamente
Aurora Tondela


PS - Tenho a honra de lhe indicar o link do meu blog onde, nesta quadra festiva, ofereço um conto da Páscoa, a todos da minha maior consideração e que distingo no meu dossier de preferências como personagens de grande prestigio que são o exemplo das gerações futuras.

fogodesantelmo.bogspot.com


O Professor não chegou a receber esta carta nem o CD prometido porque, por uma daquelas razões inexplicáveis, eu nunca lho enviei. E tenho remorsos de o não ter feito. Teria agora uma opinião desassombrada e honesta como era apanágio do seu modo de ser.

Todavia, guardo como ferramentas de trabalho as suas palavras simples que valem como facho luminoso nesta cruzada que está a ser escrever a Bíblia em sonetos.

Eu devia-lhe, Professor, esta singela confissão. Se nas paragens do Desconhecido tem o privilégio de saber, receba a homenagem saudosa de quem desejaria que continuasse, de quem o recorda como Alguém que não necessita nascer de novo para não ser esquecido.