sexta-feira, 3 de agosto de 2012

No Templo da Alma


Reflexão VI

“Eis-me aqui”


Hoje, meu Senhor, no corredor do meu coração, pareceu-me ouvir-te chamar-me.
“Eis-me aqui”.
Não vou perguntar-te o que queres de mim. Sei de antemão. Tenho a presunção de saber. É que hoje, as minhas reminiscências acudiram-me ao cérebro com uma insistência inusitada, quase paradoxal.
E nelas, interpretei o significado de uma infinita amorosidade que reverteu em benefício dos meus alicerces espirituais.
Ultimamente, tenho feito uma análise do meu passado, dos momentos críticos da minha adolescência e depois o despertar de uma saga de emoções em que a dualidade do amor foi uma constante definida por ti.
Guardo a memória do côncavo da mão forte de meu pai quando nela enfiava o calcanhar do meu pezito nu para o aquecer. Recordo o meu primeiro dia de aulas, a entrada para a primeira classe onde, para estancar-me as lágrimas, me deram uma fatia de pão com marmelada. Sempre que me sentia infeliz, ficava esfomeada.
A minha atenção foi desviada para a frase que legendava a gravura exposta na parede, em frente à minha carteira, frase essa que não mais esqueci: ”A união faz a força”. Quantas vezes, ao longo da vida, desejei que fosse provada.
E lembro o prato favorito que minha mãe me preparava com desvelo, sempre que eu tinha de apanhar o comboio para Coimbra para as aulas de Artes Plásticas, um bife suculento, muito mal passado e batatas fritas cortadas à mão, com uma espessura tão fina como as batatas de pacote dos dias de hoje. Uma lição de amor e paciência. A gargalhada fresca da avó ao contar-me as travessuras da desfolhada. As minhas correrias, os joelhos esfolados e o medo da tintura. A minha primeira ilusão amorosa.
Neste feixe de recordações, alguma vez me lembrei de ti? Alguma vez te agradeci a estabilidade e o remanso deste afluente da minha existência?
Mas apelava ao teu auxílio nas horas de aflição; buscava em ti, a solução de todos os meus problemas.
Eras o Deus dos meus antepassados. Via-te através de um polígono multifacetado, de uma extrema maleabilidade, um nome familiar presente nos nossos hábitos religiosos, uma obrigação periódica ritualizada em práticas ancestrais e, acima de tudo, a profunda devoção das mulheres que, na árvore genealógica da dos meus parentes, te renderam preito sem tibiezas nem interrogações. Os tempos passaram, entre dádivas e recusas, desilusões e regozijos, decisões e letargias.
Mas neste revolutear de águas complexas, as gotas de sal da minha esperança em ti cristalizaram os sons da tua profecia.
Não percebo se me encontro no fim de um caminho, no cume de uma ravina ou no dédalo de múltiplas convicções. Sei, porém, que não soube interpretar os teus sinais e por isso mesmo reconhecer as tuas advertências no momento crucial.
Hoje, acorro ao teu chamamento. Deste-me a percepção das ofertas reais da tua Corte, ao fazer-me compreender a existência dos raios de luz na escuridão, dos ardis da ilusão ocultos num veludo de vozes enigmáticas.
Por não sei que impulso, ouvi que me chamavas.
“Eis-me aqui”.
Como é diminuto o meu coração perante a tua fidelidade!
Como a minha mente é pequena diante do teu conhecimento!
Mas se esta tímida e insignificante criatura se curva em esboço do que devia ser e não fui, devia fazer e não fiz, por tua misericórdia infinita, aceita tudo quanto lhe deste.
Porque nós, que julgamos saber tudo e tudo decidimos, só atribuímos valor às tuas coisas quando as perdemos, pela falta que elas nos fazem.
Nos dias de tenebrosa angústia, nos intervalos de venturas prometedoras, insurgi-me contra a tua indiferença, atribui-te todas as culpas. Nos momentos eufóricos, simplesmente, ignorei-te.
Por que te vi da minha plataforma? E não considerei a imensidade do teu poder?
Hoje, ouvi a tua voz. Lembrei-me da palavra “Ingratidão”.
Sinto-me como um recém-nascido.
Como pude transportar toda a minha vida sem perceber que vieste, tens vindo sempre ao meu encontro?
E ignorar esse ramo de gardénias que trazes contigo?