terça-feira, 1 de maio de 2012

TRABALHO - Heroísmo


1 de Maio de 2012


 TRABALHO - Heroísmo



Quando se fala em trabalhador, aparece logo a discriminação de classes.
Podemos pensar que a palavra tanto se relaciona com o individuo que desenvolve actividade mental, intelectual, como o que executa mão-de-obra, aplicando a sua estrutura física. Quando não trabalham por conta própria e não são independentes, submetem-se a uma entidade patronal. Quer se queira quer não, esta é a base fundamental do seu quotidiano económico.

Quando se fala em trabalhador, associamos o elemento da classe abaixo da superior, a que nos oferece os doutores, os engenheiros, os cientistas e outros de craveira mais complexa e abstracta que lhes foi conferida por um diploma universitário.
Mas precisamente porque nos sistemas governamentais as classes ainda se mantêm, o trabalhador é do povo e foi sempre explorado pelo espírito de quem lhe dá algo para fazer em troca de remuneração indispensável.
Quer em ditaduras, quer em democracias, o trabalhador sofre por necessidade, por obrigação e porque tem contra ele a lei do mais fraco, as vicissitudes de um destino inglório, suportando com sacrifício as crises conjunturais.

Mas se não existisse o trabalhador, figurado na roupagem do agricultor, mineiro, pescador, obreiro da construção civil, estivador e outros, a quem ficariam devendo a sua formação, os arquitectos, os economistas, os médicos, os professores?

Neste dia comemorativo daquele que trabalha ou espera por uma tarefa que o realize com dignidade, eu ofereço o meu conto humorístico; celebrando os meus dias de trabalho árduo que me permitiu que estudasse e recolhesse experiências de vida e conhecimento, a única riqueza válida, o único prestigiante legado que vale a pena deixar aos nossos filhos.



RIM AO MADEIRA


A razão por que fugi pela primeira porta que se me deparou, por que sou um homem pacato, por que detesto exibir-me e, enfim, alguma razão me assiste para não chegar a vias de facto, foi a de ter escolhido uma mesa colocada precisamente em frente do vestíbulo.
Os extremos são contra a minha natureza e tive sorte em que a porta por onde enfiei desse para a rua. Inspiro este ar, com ressaibos de mofo, não a plenos pulmões, porque isso me excitaria o apetite e eu estou francamente esfomeado. Melhor, nauseado mas com uma enorme vontade de comer, trincar qualquer acepipe.
Suo e sinto que preciso de limpar a testa mas não encontro motivo para o fazer em público.
É a mim, sempre, que tais coisas acontecem.
Será que tenho cara de quem aceita o barrete enfiado até às orelhas? Só de pensar no facto, provoco tonturas, aspiro com dificuldade e, a custo, me contenho de voltar lá dentro e torcer o pescoço àquele… não sei como lhe chamar. A minha adiposidade não permite.
Hein?!... Não, nada! Pensei…
Escolhi aquela mesa porque se me oferecia de canto próximo da janela, frente ao parapeito envidraçado onde a loiça se empilhava. Dali, avistava a cozinha, o rodopio dos cozinheiros com o seu boné erecto, o barulho metálico das panelas, o estrugir dos refogados. Pode ser tudo “fita” mas o espectáculo impressiona-me de uma maneira confortável, principalmente, a decoração das travessas.
Como visionar o que será o meu repasto servido por uma alva toalha bordada, com copos e talheres a reluzir e um açafate de boa e lustrosa fruta acabada de colher? Então cá na cidade, é mesmo isso. Para quem sabe escolher, espera a messiânica reforma agrária e elege um dia diferente, num restaurante diferente, embora esportulem uma choruda maquia, a ele, a quem nunca viram por ali e cujo fato lhe dava uma aparência de um “não ser dali” endinheirado; um dia diferente na sua vida porque nos outros, os copos vinham ensebados, a toalha no fio e se quiser comer fruta, tem de esquecer que é importada para não sentir na pele, o preço que paga por ela e na saliva a falta de sabor dos produtos mal adubados.

O panorama da sala não instigava a imaginação. Enquanto uma pessoa espera que a sirvam, vai observando o ambiente. O forro das paredes onde se vislumbra alguns furúnculos de argamassa; a suspensão do tecto cuja corrente serve de palco a uma inofensiva e bucólica borboleta; o soalho sobre o qual se detém a morena bem lançada do calendário, mais artística do que sensual, as flores de plástico tão semelhantes às de jardim, o gato persa que se coze com a soleira da entrada, arrebitando a orelha. Experimenta contemporizar mas está marcado para a pisadela do primeiro transeunte que não veja onde pôr os pés.
O vozerio dos que entram, os rostos dos que permanecem… ah! Esses rostos valem um poema!... Retalhos de conversa aqui e ali…
Assim mesmo. Para acalmar. Sou um modesto funcionário. Os proventos não chegam para que eu aspire a refeições requintadas, em atmosferas requintadas. De resto, a meia-laranja absorve a parte de leão. Talvez seja este o motivo por que sou um adiposo, com tendência para a indigestão ou calepsia…Creio ser este o nome.
Se escolhemos um lugar próximo do interior, depara-se-nos a circunstância de ter de observar a azáfama que vai na cozinha e a desdita de descobrir que as pequenas virtudes são absorvidas pelos defeitos que avultam sob o nosso critério como impróprios para consumo. Mas que se há-de fazer? O ser humano é todo ele imprevisível… Ou se sai com uma fantasia ou se sai com uma anomalia. Não, senhor, não sou filósofo Não me interrompa, pois posso atrapalhar o curso do meu pensamento.
Quando a impressão se avoluma, há que fixar o rosto dos circunstantes, comensais como nós, analisar os que são servidos, o grau da sua avidez quando contemplam uma iguaria. Trava-se então sobre a mesa, uma batalha tridimensional entre bolsa, comida e apetite. Depois, pela ginástica dos seus maxilares, consideramos a densidade da sua fraqueza.
Enquanto aguardamos a nossa vez, olhamos o vizinho de soslaio. Se o seu olhar se cruza com o nosso, olhamos para o outro lado. O perfil do rapaz de lunetas, de aros grossos e rabo de cavalo, barba de estudante desafortunado mergulhada num pequeno dicionário de vocábulos… Não sei o que seria dele se não fosse a ementa.
Foi em face dessa maldita coisa que eu decidi sair do prato do dia e mudar de restaurante também. Entusiasmava-me o facto de não encontrar as velhas caras, os estafados sorrisos e os caquéticos salamaleques ao chefe de secretaria, um forreta, que se não dava ao luxo de dispensar a companhia de um proletário como eu.
O orgulho de mandar preparar um acepipe especial enchia-me os capilares de um santo regozijo. Por isso, arvorei um ar imparcial, convincente, de bons e distintos hábitos Um prato com lagosta. Se a sala tivesse um espelho ao alcance do meu nariz, teria infalivelmente olhado para ele.
Esqueci a lagosta. O empregado, aprimorado no seu colete de veludo vermelho e papillon às riscas, sabia lá até que ponto a minha frugalidade, imposta pela poupança, estava a ser incómoda!
Assim, endireitando o nó da gravata, continuei a observação geral. Para disfarçar.
A senhora que olha para todos os lados sem ver nada, sem prestar atenção a nada e responde ao companheiro, marido extra-conjugal, já se vê, por meio de aparentemente cúmplices´ monossílabos. O assunto não deve ser interessante.
O cavalheiro, expressão de símio, que lava as mãos antes de se sentar, lê agora o jornal mas não volta a lavá-las quando o vierem servir. É dos que não comem pão. Acho.
Bem, mas vamos ao que interessa.
O casal de belgas entrou e sentou-se a uma mesa do meu lado. Pediu lagosta. Tinha de ser. Uma grande, farta e ultrajante lagosta pois a consideraram “muito barata”. Imagine se eu ia ficar com o meu prato plagiado! Pedi então ao empregado que se fosse a tempo de substituir o meu crustáceo, preferiria “Rim ao Madeira”, com guarnição, conforme indicava na lista.
Não enrugue o sobrolho porque os elementos que decoravam aquele pitéu e constavam do cardápio, eram impressionantes… beldroegas, tâmaras… bom.
Quebrados do calor, os belgas pegaram em guardanapos com as pontas dos dedos e fungaram sem muita convicção. São formas de ser. Também não gostaram do nosso caldo de “navete”.
Há um telefone que toca. O meu estômago afunila como que apertado por um torniquete e sem o querer, dou um largo suspiro. Olho o relógio e, para além do balcão, alguém me acena que vem já aí o meu delicioso pitéu.
Estava eu na contemplação quase beatífica do meu rim. O barrete do cozinheiro impunha magnificência ao ritual. Pegou no corpo rubicundo, listrado com uma polpa fresca e suculenta que me fazia cócegas no palato. Largou-o. Tornou a pegar-lhe. Manuseou-o com as pontas dos dedos…
Esta longa história de me entregar às sensações para tornar a espera mais divertida, menos penosa, não ficará do domínio público e é pena. Faria rir o mais sisudo.
Como ia a dizer, o cozinheiro polvilhou, esfregou, condimentou, desenrolou as cartilagens, acomodando-as numa arquitectura magistral.
Fiquei tão entusiasmado que esqueci os belgas e a sua lagosta, uma carcaça inútil ou em vias disso. Eu estava feliz pela perspectiva de me satisfazer com comida manufacturada sob a ética de certa tradição que não excluía as ervas aromáticas, hábito que a minha meia-laranja não tem devido a uma invenção psicossomática.
A travessa fez a sua aparição e os seus reflexos estamparam-se. No restante da baixela. Correram gotas de um líquido untuoso, adulador. Os meus conhecimentos de gastronomia são estritamente superficiais. Daí que para a frigideira como para mim, fossem indiferentes o azeite ou a manteiga. Mas não eram, nem um nem outra. A cor tinha mais subtileza. E os eflúvios por ela dimanados, ondulando até ao prato, invocavam requebros de odaliscas, epidermes de cetim.
O estrugido ecoou na cozinha como um clarim. Ou trombeta em dia de sarau. Começou a perceber-se no ar um perfume típico de lareira fidalga, olímpica, brasonada; um perfume inebriante que dilatava as narinas e o suco gástrico.
Encontrei-me a engolir em seco. Senti-me regalado e comovido; disposto a pagar tudo o que tinha na algibeira, um maço razoável e, na carteira, as novas notas de circulação recente, que se não gastam logo porque dá sorte conservá-las. Puf! Crendices!
Não iria jantar. Evocaria uma hipotética cólica no fígado. Mais moinha, menos moinha. A cara-metade meter-me-ia na cama com botija de água quente. Ou gelo. Nestas coisas nunca se sabe o que se passa na cabeça das mulheres, pavoneadas em enfermeiras segundo a intenção do amor que dizem dedicar-nos. A minha, não devo esquecer, que se casou comigo e com um ordenado obstinado, fiel aos seus princípios, não pode saber da minha “escapadela”. Que diabo! Um dia não são dias. Apeteceu-me. Se lhe dissesse… ui!... caía o Carmo e a Trindade. As suas recriminações seriam pedregulhos. Pôr-me-ia a chá. Desgastar-me-ia. Mas já nada me faria voltar atrás.
Via-me a cortar a carne, metodicamente, em pedacinhos. A saborear. A molhar grossos rolos de miolo de pão naquele pastoso molho marron, cuja rescendência aguçava a curiosidade dos outros clientes.
E quem sabe se também a inveja!? Que constasse, eu ainda não estava de férias e o fim da semana vinha ainda longe. Ah! Nababo! Isso! Sentia-me nababo!
Iria pedir uma ou duas cuvetes de foie-gras. Morangos em chantilly como sobremesa. Ou uma cassata bem geladinha.
A força do aperitivo instiga-me à sopa. Mas não desejo uma sopa de pobre. Na realidade, uma que me apeteça em pleno, com requinte. Canja. Creme de marisco. Opto pela canja, servida numa terrina. Em casos especiais como este, jubiloso da sensação de ser um homem sem fadiga e sem horário, saio da rotina, sirvo-me da comida policromática, envolvo-me do doce torpor do fumo que se solta da sua fervura. Bem vê, não ficaria bem uma “económica”. Servir-me-ia a meu bel-prazer. Ah! Não havia dinheiro que pagasse esta evasão. Uma odorífera canja. De galinha, não de franganote anémico. Exibiria os ovinhos, juntos como um cacho, muito amarelinhos. Canja de galinha de campo. E pés. Não, pés, não. Não resistiria a sugar-lhes os metatarsos. Que figura!
Claro, diz bem. Pareceria mal. Habitualmente, não como sopa. Intumesce o esófago Intumesce sempre o esófago de um modesto trabalhador. Mas não dispensaria nesta o coração, um pedacinho de fígado e moelas.
Salada? Não me aventurei. Tive medo. Se estivesse mais abonado e a empresa não estivesse em crise…, é uma realidade que ultrapassa as minhas ideias fixas. E quando se entra neste campo das ideias fixas, concentram-se logo em nós as atenções., principalmente se temos um comportamento diverso.
Ah! Eis o cerimonial da travessa. A bela recepção e o brilhante panorama. Quase chorei de satisfação. O quadrado da janela por onde eu conseguia enxergar toda aquela manobra parecia alargar e conter-me todo dentro da famosa iguaria. Que maravilha!
Uma decoração colorida, espectacular.
É então que surge, imponente, a garrafa. Com o saca-rolhas, vejo o chefe sacar a rolha do gargalo. Vejo-o levar a garrafa à boca, a sua garganta gorgolejar, as suas bochechas enfunarem como um balão e os seus lábios em forma de “U”, borrifarem o meu desgraçado petisco. O meu querido rinzinho regado com o celebrado vinho da Madeira… e perdigotos.
Sim, sim, não me sinto bem. A recordação dá cabo do meu vigor encefálico. É por isso que estou cá fora. E corri como se trouxesse o diabo depois de mim. É por isso que tenho fome e não me apetece comer.
Não sei como não morro. Sinto-me extraordinariamente comovido.
Os senhores desculpem.
Muito boa tarde.