quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

ANO NOVO, VIDA NOVA!


Em muitas coisas o passado não constrói o futuro mas em outras, é um forte indício para vitoriosas realizações.
O tempo ensina-nos experiências, corrige erros; cura feridas. O que foi benéfico, guardamos no escurento da nossa memória para o evocarmos nos momentos mais austeros da nossa vida.
Neste final de ano “velho”, é oportuno fazer uma análise do que ficou para trás e tirar da rotina, os eventos que marcaram pela diferença, originalidade e grandeza de alma, observada nas três Virtudes Teologais: Fé, Esperança, Caridade.
Este ano foi coroado por muitas e ameaçadoras advertências: tempestades, inundações, vulcões que se reacendem, crises sociais, conflitos armados, terrorismo, violência e barbárie. Em pleno século XXI, na era da informática, da digitalização, das pesquisas interplanetárias, de descobertas científicas e medicinais, o ser humano está cada vez mais desumanizado. Ignora que, com o seu procedimento egoísta e corrupto, tem para si apontado um punhal cujos golpes abrem feridas que não cicatrizam mais.
O ditado antigo: diz: “Cá se fazem, cá se pagam”. Mas o vulgo não pensa senão em seu próprio consumismo e na vingança sórdida que nem os parentes exclui.
O novo ano, como os outros, traz um saco de surpresas. Más e boas, como habitualmente. O que importa é ajudar quem necessita. Ajudar, principalmente no plano espiritual, pois quanto mais limpo o indivíduo for de coração e traçar o seu caminho à luz do bem e da compaixão, todas as bênçãos, materiais e  vêm por acréscimo.
Desejo apenas formular um voto:
Em cada dia, procure agir de forma a sentir-se feliz com a sua consciência. Se é bem formada, a vitória, a felicidade e a abundância, encherão a sua existência e a dos seus entes queridos.
É esta a herança que distribuo por todos para o ano que se aproxima da soleira da porta.

FELIZ E PRÓSPERO ANO NOVO!