sábado, 21 de dezembro de 2013

CARTA AO PAI NATAL



POLO NORTE


Querido Pai Natal

Não posso esconder a minha alegria por te ter de novo nos céus de Portugal. Agradeço a tua simpática visita.
Tens sido incansável, viajando pelo mundo, num universo de esperanças e desejos.
Vejo o teu saco a abarrotar de brinquedos. Cada um transmite o significado do bem-estar e felicidade de uma criança, o respeito pelo seu olhar inocente que contempla tudo e todos sem premeditação.
Sei que não darás presentes a todos e por isso regressas triste, de alma pesada, convicto de que muitas crianças, muitos velhos e muitas famílias não recebem o privilégio da tua presença. Mas o ambiente aureolado de reflexos luminosos, bolos, rabanadas, filhós e doces, traduz que uma fração da humanidade aprendeu a lição do Presépio, esquecendo os males por um tempo.
Mais uma vez, arauto da paz, da igualdade, da fraternidade, do Amor nas relações e na tolerância, sejamos cada vez mais ausentes nas querelas, nas controvérsias; pronunciemos um NÃO bem forte ao armamento, à fome e à miséria, ao racismo, ao desemprego, às discrepâncias sociais. As pessoas contradizem-se. Tu, não. As crianças, não. Por isso, o Natal é essencialmente delas. E mesmo com toda a boa vontade, o Pinheiro engalanado não se faz para todas: o bafo das tuas renas não aquece todas as cozinhas; não há um bombom para o desprotegido.
Vem mais vezes, Pai Natal. Tu pertences à infância de todos os tempos e espaços. Para ti, não há fronteiras de separação.
Enche o teu alforge de estrelas e vem trazer cada uma às crianças maltratadas, esfomeadas, esfarrapadas, sem condições dignas para viver e sem futuro promissor à vista.
Milhões de estrelas há para milhões de meninos e meninas para quem a vida tem sido adversa.
Pelo poder do Amor, faz esse milagre!
Cada estrela - cada vitória.
Cada remorso esmagado, cada indiferença apagada.
E a humanidade aprenderá, pelo teu exemplo, a ser menos egoísta, mais filantrópica e presente.
Sim, Pai Natal! Cada estrela, cada criança feliz e em segurança.
Cada estrela, cada presépio de renascimento com a mensagem do Menino de Belém.