domingo, 14 de outubro de 2012

PATRÍCIA


24 de Setembro de 2012

Há 27 anos, poucos dias após o teu nascimento, imobilizei-me ao lado do teu berço, a contemplar-te. Dormias serenamente. Um anjo desceu à Terra – disse para mim. Onde terá deixado as asas?
Com o decorrer do tempo, habituei-me a ver em ti, uma criança muito sensata e ponderada. Afligiam -me a disposição e a forma como irias enfrentar a vida.
Eras muito querida, inteligente e de raciocínio bastante objetivo, pronto a aconselhar os outros.
Durante a época estudantil, e em todos os percursos didáticos, revelaste ser sempre uma aluna exemplar, cumpridora e brilhante. Para mim, eras como uma pedra preciosa no amontoado de coisas quotidianas imprestáveis.
Cresceste. A joia virou diamante. E o desejo de independência e liberdade de ação fez com que respirasses outras atmosferas e palmilhasses outros caminhos.
Tinha chegado o momento de reaveres as tuas asas.
Apesar de não o parecer, a família seguiu os teus voos.
Não nego que muitas vezes fiquei apreensiva. Por experiência própria, tinha passado por mim o ardor da juventude, a ingenuidade de certos sentimentos, algumas desilusões e desgostos também.
A tua força e determinação fizeram com que sacudisses as asas, as alisasses metodicamente e te lançasses na descoberta de novos horizontes.
O que choraste, o que sofreste, as deceções que por ti passaram, não nos foram indiferentes. Mas a nossa esperança esteve sempre na tua fortaleza, na perspetiva, não despida de certo pessimismo, com que encaras o mundo que te cerca.
A caminhada continua. Atingiste mais uma etapa ambicionada. Podes orgulhar-te de possuir um bom marido, que te ama e é extremamente carinhoso e paciente contigo. Porque, diga-se de passagem, às vezes o “stress” apanha as tuas asas nas suas garras. Cria em ti a “fonte de Hipocrene”, revitalizadora e inspiradora mitológica da eterna juventude. É bom que mantenhas a juventude do espírito e a confiança no teu destino.
Quero finalizar esta mensagem com chave de ouro. A viagem do teu bebé. O teu sonho de ser mãe está à beira de se concretizar. Estás uma linda mulher e uma bela mulher-grávida. Serás uma excelente mãe. As tuas asas, agora mais desenvolvidas pela riqueza da experiência, transformaram-se em asas de águia.
Sirva esta metáfora para significar a tua estatura de mulher com M grande, exemplo de muitas mulheres que antes de o serem são filhas-modelo.
Quanto a mim, guardo religiosamente a imagem daquela figurinha delicada, de cabelos negros, dormindo tranquilamente no seu berço, calma, feliz, silenciosa, desafiando com a sua fragrância de bebé, as nuvens menos claras da existência humana e ensinando, sem o saber, que “tudo vale a pena se a alma não é pequena”.