segunda-feira, 28 de maio de 2012

CRIANÇA DE HOJE – QUE FUTURO?

Dia 1 de Junho de 2012



DIA MUNDIAL DA CRIANÇA


Apesar de a Declaração Universal dos Direitos da Criança ter bem definidos os privilégios que a sociedade lhe deve, a verdade é que tudo não passa de “letra morta”.
Comecemos pela ausência de condições físicas e psicológicas nos nascimentos e partos compulsivos, inoportunos, que induzem as mães solteiras, as mães adolescentes, e as mães sem recursos perante situações calamitosas, a libertarem-se dos filhos que não desejam, vindos ao mundo porque não houve prevenção e acompanhamento adequados à sua situação de desamparo e incompreensão. Tal falha das comunidades onde estas mulheres estão inseridas, leva a resultados catastróficos para quem “não pediu para nascer”.
As dificuldades acentuam-se nos lares onde se instalou a insuficiência económica, onde os progenitores maltratam estas criaturas sem defesa não lhes oferecendo os cuidados básicos elementares ao desenvolvimento da sua personalidade, ao seu crescimento e aperfeiçoamento gradual das suas aptidões em domínios que elas jamais experimentam, pois apesar de “todos sermos iguais” as crianças também são apanhadas na engrenagem da discriminação de classes.
De que servem as instituições de apoio, solidariedade, se elas estabelecem regras em colectivo e não dispõem de tratamento personalizado?
De que servem adopções, se os afectos familiares, os laços de sangue, a convivência fraterna são cortados cerce, ignorando o sofrimento infantil em nome dos seus pseudo interesses?
Ironicamente, multiplicam-se os departamentos de protecção à criança, os reformatórios, as entidades de beneficência, as associações de “caridade”, para minorar os efeitos de uma sociedade egoísta e pérfida que não consegue eliminar os pedófilos, os exploradores da mão de obra infantil, os traficantes, toda uma mole humana ambiciosa e perversa que não se coíbe de negociar carne humana nem de arruinar emocionalmente quem poderia dar, melhor do que eles, maior e mais profícuo contributo ao País.
A teoria sem prática amarelece o papel. E quem quer ver, sabe que nada se faz para defender melhor estas crianças que os próprios Tribunais condenam, julgando arbitrariamente, saindo a maior parte das vezes, fora do contexto para se permitirem ajuizar que “fazem alguma coisa”, com base em informação volúvel de uma assistência social interessada apenas no êxito dos seus próprios critérios.
As crianças são a geração futura. A família que sabe imprimir valores morais e tem possibilidade de evitar a fome e a discriminação escolar, educativa e económica aos seus descendentes, pode também sentir-se feliz e realizada. Mas as outras?
Num País que continua na “cauda da Europa”, ou “em vias de desenvolvimento” como nos querem fazer crer os diplomatas, é mais fácil imitar o mal e aceitar que se sirvam das nossas fragilidades.
Que pensar desta nação, ”à beira-mar plantada”, uma das impulsionadoras dos Descobrimentos, a dos Lusíadas, do clima moderado, de grandes tradições e alguns saudosistas?
Que pensar de um Governo onde tantos fazem tão pouco?


O CÉU DESCEU a)

por Aurora Tondela

- Mãe! Dá-me flores brancas… brancas!
Dá-me o jardim! Dá-me essas flores!

- …!?

A criança olhou o céu
e o céu desceu aos olhos da criança.

- Mãe! Dá-me o sol! Quero pintar o sol!

- O sol que fere, meu amor?
Tão alto e tão fulgente que não há
Cor mais solene que o seu ouro puro?

A criança baixou o rosto triste
e o sol fulgiu no cabelo da criança.

- Mãe! - balbucia em voz  sumida . -
dá-me as ondas do mar, dá-me o luar!

- Mas que tolice, filho! O mar tem cor!
E a lua é branca como Deus a fez…
Pinta esse livro que eu te trouxe, vá!
Ou nada te darei para a outra vez!

Um soluço se ouviu...
e o mar falou ao ouvido da criança.

- Mãe! Dá-me Deus!... Eu queria pintá-lo, sabes?

O pincel sorriu nos dedos da criança…

E a criança chorou.



a) Poema publicado no Diário de Noticias na década de 60, dedicado a todas as crianças do mundo. Faz parte integrante da Antologia Poética Lusobrasileira orientada pela escritora Dra. Adalzira Bittencourt e foi traduzido para espanhol, francês, inglês, alemão, italiano, sérvio e russo.